Graça, liberdade e responsabilidade

Até 1997, no Brasil, a obrigatoriedade do uso do cinto de segurança restringia-se às estradas e rodovias. Nas demais vias públicas, tanto o motorista quanto os passageiros tinham a liberdade de usá-lo ou não! O motivo preponderante para a mudança da legislação foi a incrível disparidade dos índices de mortalidade entre as vítimas arremessadas para fora dos carros e aquelas que, de algum modo, permaneciam dentro dos veículos nos acidentes. Embora a lei tenha por objetivo proteger a vida e a liberdade de ir e vir das pessoas, muitos resistem a usar o cinto queixando-se que o mesmo limita a liberdade de movimentos no interior dos automóveis.

A lei de Deus funciona como um cinto de segurança. Ela impõe limites à nossa liberdade, mas ao fazê-lo, a protege (e nos protege também). Gn 3 ilustra de maneira emblemática essa realidade: Deus criou o ser humano livre e o colocou num jardim maravilhoso onde homem e mulher poderiam viver como desejassem. Tudo lhes era permitido, exceto comer o fruto da árvore no meio do jardim porque, se assim eles fizessem, morreriam. É paradoxal realmente: a lei de Deus protege a nossa liberdade limitando-a! E por que esse limite se faz necessário? Porque o exercício irrestrito da liberdade é autodestrutivo! Liberdade sem limites é morte.

Nós somos livres para comer ou beber ou ficarmos sem dormir ilimitadamente, mas se o fizermos, iremos nos autodestruir. A liberdade precisa do limite, pois é o limite que a torna saudável, sustentável e mesmo possível. Mesmo Deus, que é absolutamente livre, livremente se impôs um limite ao nos criar. Pois ao nos criar livres como Ele próprio, Deus prescindiu de algo de sua própria liberdade. Por isso Deus não nos impede de exercer nossa liberdade mesmo quando contraria a vontade dele. Deus não impediu Adão e Eva de comerem do fruto proibido. Ele os advertiu, os exortou, os proibiu, mas não os impediu de ir lá na árvore no meio do jardim (mesmo contra sua vontade e ordem), pegar o fruto e comer!!! Tanto é assim que eles comeram…

Cabe aqui perguntar: por que Deus permite que nós descumpramos sua Lei, que façamos aquilo que contraria sua própria vontade para nós que, como afirma o apóstolo Paulo, é boa, perfeita e agradável? A resposta é simples: porque Deus leva muito à sério a liberdade humana. Deus não nos quer presos a ele, reféns de sua vontade. Ao contrário. Ele nos deseja livres porque somente se formos livres para caminharmos para longe Dele e de sua vontade, seremos também livres para escolhermos estar perto Dele e obedecermos aos seus mandamentos. Isso é graça: amor que não se impõe, mas se expõe ao risco de ser rejeitado!!!

Contudo, é importante frisar, a liberdade não é a única filha da graça; ela tem uma irmã gêmea que se chama responsabilidade. Toda ação produz uma reação. Toda escolha é uma fecundação: produzirá filhos que não poderão ser desamparados. O ser humano escolheu comer o fruto proibido! Ok, Deus respeita a liberdade humana. Mas ele agora terá de responsabilizar-se pelas consequências. O exercício da liberdade querer responsabilidade! Mais liberdade corresponde a mais responsabilidade! E vice-versa: Menos liberdade corresponde a menos responsabilidade!

Neste ponto residem muitos de nossos problemas. Pois em geral nós queremos ser livres, mas não queremos ser responsáveis!!! Adão comeu do fruto proibido, mas tentou isentar-se da responsabilidade lançando-a sobre Eva. Eva, por sua vez, lançou a responsabilidade sobre a serpente visando lavar as próprias mãos. Mas Deus leva à sério demais a liberdade humana para nos eximir da responsabilidade por nossas escolhas. Quem quer ser livre tem de estar pronto para ser responsável! Pois onde há verdadeira liberdade, não há vítimas! Se livremente eu escolhi o meu caminho, então sou o único responsável por ter chegado onde cheguei. Ou por não ter chegado a lugar nenhum… Não posso culpar os outros pela estado em que minha vida se encontra. Pois ninguém faz nada comigo que eu não permita. Se as coisas estão como estão é porque, em alguma medida, eu consenti!!! No mínimo, eu sou co-responsável.

Assumir a responsabilidade por nossas escolhas é o ônus da liberdade. Daí que muitos optem por agir como os gálatas que abdicaram de ser livres para não terem de se responsabilizar pelas próprias escolhas. Adão e Eva, no entanto, fizeram uso da liberdade concedida por Deus, logo, não poderiam ser eximidos por Deus de arcar com a responsabilidade. A graça nos concede ampla liberdade, mas requer de nós igual responsabilidade. Por isso o ser humano foi expulso do Paraíso (o que não significa que Deus o tenha abandonado, porque a graça segue com a gente até o fim, não recua jamais, e nos ajuda a lidar com as consequências de nossas escolhas equivocadas). O Evangelho da Graça é um convite à vida livre e responsável baseada no amor incondicional, irrestrito e irrevogável de Deus por nós que nos deu a sua Lei para nos proteger e orientar. Contudo, obedecer ou não a Lei, é algo que compete a cada um escolher assim como a cada motorista e cada passageiro compete também decidir se irá acatar ou não a Lei e viajar usando o cinto de segurança.

 

 

Anúncios

Graça, Lei e Liberdade

Não se deixem enganar: de Deus não se zomba. O que o homem semear, isso também colherá” (Gálatas 6:7)

Um amigo certa vez me contou que havia plantado sementes de maçã em seu quintal onde, tempos depois, crescera uma pereira. Naturalmente, eu não acreditei na estória, apesar da insistência dele. Todos sabemos que não há como alguém plantar sementes de um tipo de árvore e obter como resultado uma árvore de tipo diferente. Assim acontece também com nossas escolhas, diz-nos o apóstolo Paulo. Escolher é dar à luz um futuro e os filhos sempre carregam o DNA de seus pais. Todas as nossas escolhas se desdobram em consequências que lhe são correspondentes. Daí que aquele que plantar maçãs, colherá maçãs. Quem quiser colher peras, terá de plantar peras. Segundo o apóstolo, afirmar qualquer coisa diferente disso é zombar de Deus.

É importante observarmos que Paulo faz essa afirmação numa carta cuja finalidade era instruir os irmãos e irmãs da Galácia sobre a relação entre a liberdade cristã e a Lei de Deus no horizonte da graça. Pois aquela comunidade estava perdendo de vista a experiência da graça e, por essa razão, usando a liberdade cristã de maneira equivocada. Para nossa surpresa, no entanto, eles não estavam usando a liberdade para levarem uma vida de frouxidão moral e libertinagem como nós frequentemente tememos. Não. Eles estavam usando a liberdade decorrente da graça de Deus para anularem a própria liberdade e se aprisionarem em cadeias autoimpostas feitas de legalismos, moralismos, dogmatismos e tradicionalismos. Por isso Paulo escreve no capítulo 5:

Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Portanto, permaneçam firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de escravidão. Ouçam bem o que eu, Paulo, lhes digo: Caso se deixem circuncidar, Cristo de nada lhes servirá. De novo declaro a todo homem que se deixa circuncidar, que está obrigado a cumprir toda a Lei. Vocês, que procuram ser justificados pela Lei, separaram-se de Cristo; caíram da graça. 

A citação não poderia ser mais clara: abrir mão da liberdade cristã em prol de uma vida regida pela lei, é uma desgraça; é dar as costas para Cristo. Pois, como vimos duas semanas atrás, a lei de Deus existe para proteger e garantir nossa liberdade e não para ocupar o lugar dela! Deus não nos criou – e Jesus não nos libertou – para normas e regras e prescrições e costumes. Todas essas coisas existem para nos servir e abençoar. Quando deixam de cumprir essa finalidade e tornam-se fim em si mesmas, tornam-se também desimportantes, deixam de ser graça, e por isso podem e precisam ser questionadas, revistas e até abandonadas. Um Evangelho legalista, enrijecido por tradicionalismos e dogmatismos, não é, a rigor, Evangelho, porque já não é boa-notícia. O Evangelho de Jesus Cristo é a boa-nova do amor incondicional, irrestrito e irrevogável de Deus que nos permite viver com leveza, liberdade e responsabilidade, porque o jugo de Jesus é suave e o seu fardo é leve. Não há nada que possamos fazer para Deus nos amar mais, nem nada que possamos fazer para Deus nos amar menos. Daí que, para Paulo, nem circuncisão, nem dieta judaica, nem calendário religioso, nem lugares sagrados ou tantas outras coisas constituem condição para obtermos o amor de Deus que nos é dado de antemão. Somos amados por Deus e, portanto, livres para vivermos sem medo as nossas vidas.

Infelizmente, contudo, nós tememos a liberdade. Nós fomos ensinados e acabamos por acreditar que a liberdade é perigosa pois é uma porta para a libertinagem. Então nós a mantemos fechada. Se não sabemos usar a liberdade, a coisa a fazer então é abdicar dela. Exatamente como os gálatas estavam fazendo. Só que Paulo não pensa nem age assim. Ao invés de prescindirmos da liberdade, ele entende que é preciso aprender a usá-la: Por isso digo: Vivam pelo Espírito, e de modo nenhum satisfarão os desejos da carne” (Gl 5:16). Quem vive no Espírito não tem medo da liberdade! Porque sabe que será conduzido por Deus por caminhos de retidão.

O ensino de Paulo é uma denuncias: ela revela que nosso medo da liberdade funda-se no fato de estarmos vazios (ou esvaziados) do Espírito Santo. É para quem vive essa experiência que Paulo diz: “Não se deixem enganar: de Deus não se zomba. O que o homem semear, isso também colherá”. É como se dissesse em outras palavras: “Pela graça de Deus vocês são livres! Vocês são livres até mesmo para abrirem mão da liberdade que a graça concede a vocês. Mas lembrem-se: tudo o que vocês plantarem, vocês colherão! Vocês querem viver segundo a Lei? Não reclamem depois se a vida de vocês se tornar um fardo insuportável!”.

Toda ação produz uma consequência correspondente: ninguém planta maçãs e colhe peras! Se alguém quiser colher peras, terá de plantar peras! A vida abundante não está destinada àqueles que temem a liberdade. Mas aos que, no Espírito, a exercem corajosamente! Todos estamos diante de uma escolha fundamental: ou viveremos livre e corajosamente pela graça no poder do Espírito Santo ou viveremos tímida e receosamente sob o peso da Lei que nos rouba a alegria da vida e da salvação. A escolha é nossa. A responsabilidade também.

 

Epitáfio

Como você gostaria de ser lembrado?

 

Quem não se torna sábio ouvindo o que a Morte tem a dizer está condenado a ser tolo a vida inteira. (Rubem Alves)

 

Não estou pensando em morrer. Não mesmo. Mas tenho pensado acerca da morte. Tenho refletido sobre meu último suspiro; aquele depois do qual fecharei os olhos para abrir do outro lado e, finalmente, poder enxergar. Ver como sou visto. 

Há uma imensa sabedoria na morte. E aprender sobre ela revela-se inspiração para a vida. Devíamos planejar a nossa tragetória neste mundo de trás para a frente. Primeiro o fim, então o começo. Pois é a visão de como desejamos ser lembrados que melhor nos orienta sobre as escolhas que temos de fazer. Afinal, o fim que antevemos para nossa breve existência lança luz sobre as opções que temos diante de nós e nos indicam, desse modo, uma direção a seguir. De outra parte, também evita o trauma de ao final de tudo, constatarmos desiludidos: “Que vida foi essa que vivi? Se pudesse, faria tudo diferente!”.

Quando chegar para mim o dia derradeiro, não quero pronunciar essas palavras. Quero antes, como Cristo na cruz do Calvário, dizer: “Está feito”. E render meu espírito a Deus com gratidão e dignidade. Apenas isso. Pois há muito desisitir de pensar que nasci para ser alguém extraordinário. Sou uma pessoa comum e anônima e estou em paz com isso. Se deixar uma pequena marca naqueles com quem convivi mais de perto, já basta. Não tenho a pretensão de escrever meu nome na posteridade. Estou safisteito em tê-lo no livro da vida. É assim gostaria de ser lembrado: como alguém que foi fiel a si mesmo, ao que acreditava, a quem amou e a Deus.

Provavelmente não me ocuparia de tais pensamentos se não tivesse lido com toda igreja o livro “Um mês para viver”. Lemos a obra enquanto jejuávamos e oravámos buscando discernir os caminhos de Deus para nossas vidas pessoais e comunitária. O fizemos na convicção de que tal reflexão nos levaria há uma profunda reorientação de vida e correção de rumo enquanto ainda há tempo. Nesse intuito, ao final dos 30 dias de leitura, fizemos um exercício poderoso: convidamos a todos que escrevessem o próprio epitáfio. No domingo seguinte, aqueles que desejaram, leram o seu breve texto para toda a igreja enquanto celebrávamos a Santa Ceia. Compartilho aqui o que escrevi e li, comovido,  para meus irmãos e irmãs na esperança de viver à altura de cada palavra:

Aqui jaz Leandro Marques.

Esposo amado e amável. Pai sábio e presente. Amigo verdadeiro. Servo fiel. Um homem bom.

Esforçou-se por viver a vida de acordo com o que entendeu do Evangelho, com o que acreditou ser verdadeiro e importante. Deu boas risadas e tentou não acreditar em tudo que diziam a seu respeito, fosse isso bom ou ruim. Buscou em tudo ser uma pessoa inteira. E transparente, na medida do possível. Amou a vida, o semelhante, e a Deus. Gastou-se pela causa do reino de Abbá. Fez o bem. Viveu e morreu como discípulo de Jesus Cristo.

Agora descansa em paz. E deixa saudades…